Nostalgia: Os 10 Anos de Se Beber, Não Case (2009)

Coringa é um grande sucesso de público e crítica, principalmente por trazer uma abordagem mais realista para as adaptações de quadrinhos, o diretor e roteirista Todd Phillips está recebendo todos os merecidos elogios de um dos filmes mais importantes dos últimos anos.

Mas ao assistir Coringa, um filme violento, pessimista e sombrio, é difícil imaginar que Todd também é um diretor de comédia.

Ou nem tão difícil assim: ele não é o primeiro comediante – e provavelmente não será o último – que vai para um lado mais dramático e faz um grande trabalho, basta nos lembrarmos de Jim Carrey, Steve Carell, além dos diretores John Krasinski e Jordan Peele.

E no caso de Todd Phillips, um filme que o tornou famoso, muito antes de ele sonhar em dirigir uma adaptação de HQs, foi lançado no meio do verão de 2009 e logo se tornou a surpresa da temporada: Se Beber, Não Case.

O sucesso foi tão grande (custou 35 milhões e faturou 470 milhões nas bilheterias mundiais), que não demorou muito para que Hollywood tentasse emplacar outros filmes parecidos com ele, como o péssimo A Ressaca (2010), o simpático Um Parto de Viagem (2010), também dirigido por Todd Phillips, além das desnecessárias continuações de Se Beber, Não Case. O filme apresenta uma ideia que pode não ser nova, mas contada de forma diferente, deu uma característica mais inusitada ao longa.

Na história, 4 homens adultos vão para uma despedida de solteiro em Las Vegas, pois Doug, também integrante do grupo, está para se casar. Mas ao acordarem, percebem que exageraram, estão de ressaca e não se lembram do que houve na noite anterior, o que acaba causando estranhezas neles e no público, como um tigre no banheiro, um bebê, um deles sem dente e o sumiço do noivo, Doug.

A grande graça aqui está em descobrir, junto com o filme, o que de fato aconteceu na noite anterior e o roteiro é muito feliz em não entregar nada de bandeja, deixando para o público descobrir aos poucos.

O resultado são situações totalmente surreais, como casamento com stripper, carro de polícia roubado e até Mike Tyson.

As locações em Las Vegas são atraentes, com direito a muito cassino e referências a Rain Man. O ritmo do filme é rápido, frenético, e jamais cansa o espectador, o que leva a uma montagem competente.

E engana-se quem acha que apenas o diretor Todd Phillips, tenha meio que começado a carreira em Se Beber, Não Case: o astro Bradley Cooper, hoje um ator respeitado e com indicações ao Oscar e o comediante Zach Galifianakis, que também está em Um Parto de Viagem ganharam destaque na produção. Embora Se Beber, Não Case não seja o primeiro trabalho de suas carreiras, é inegável que o sucesso do filme possibilitou a carreira em Hollywood.

Se Beber, Não Case é uma comédia hilária, deliciosa e que vai deixar o espectador com um sorriso no rosto. Mesmo que pareça errada nos dias de hoje (piadas de duplo sentido, esposa do Stu maltratada pelo roteiro), é uma comédia que marcou época e tem o seu lugar na história do cinema.

Ah, e o título brasileiro ficou bem mais sugestivo do que simplesmente The Hangover ou A Ressaca, que acabou virando título de outro filme no ano seguinte.

Nerd: Raphael Brito

Share This Post On