Kingdom Hearts 3 – Feito para velhos fãs, para novos, nem tanto!

Minha história com Kingdom Hearts é antiga, mas não é das mais ativas. Como já disse em outros textos, eu não tive Playstation 2, ou sequer um Playstation. Meu primeiro videogame foi o portátil PSP e o primeiro console de mesa foi o XBox 360, faz tempo, mas sabe o que esses dois consoles tem em comum? Nenhum deles recebeu Kingdom Hearts.

Ok, calma! Eu sei que o PSP recebeu o Kingdom Hearts Birth By Sleep, mas eu quis dizer que ele não teve um Kingdom Hearts de entrada, com o Sora, Riku e todo mundo ali. E a história dessa franquia pede que você jogue todos os títulos pra ficar inteirado. Não há Spin Offs, tudo é parte da história principal.

Bom, sabendo disso, meu contato com Kingdom Hearts foi através de terceiros. Foi vendo um amigo jogar, vendo vídeos na internet, e lendo textos. Mas é claro, meu conhecimento é muito mais limitado do que o de quem jogou a série desde o começo.

Pulando para 2019, quando o terceiro jogo foi finalmente lançado, eu estava ansioso. Pois, tive a minha chance de reviver os outros e de ficar bem ansioso com a demo jogada na BGS! Entrei na Amazon e comprei uma edição física (sem jabá, estava mais barato que a edição digital, e estou falando da edição especial, com Steelbook!). Chegou em um dia!!! E comecei a jogar.

KH_FRIENDS

A princípio, temos que lembrar, Kingdom Hearts tem uma história DENSA, e o terceiro título não esquece isso. Ele tem diversas formas de te lembrar de ver o que você perdeu. No menu principal inclusive, há uma área com 5 pequenos resumos para você lembrar dos acontecimentos mais importantes.

Durante o jogo, há diversos diálogos expositivos para que você não esqueça quem é aquele personagem, ou o que ele fez. Então, o ritmo acaba ficando um pouco mais cadenciado. Mas Kingdom Hearts tem dessas, as vezes são diálogos simples, e bem maniqueístas, bem e mal bem definidos, poder da amizade e etc.

Acho inclusive que isso faz parte do charme da série. Ela tem essa mesma estética desde seus primeiros títulos, não amadureceu junto com seu público, mas manteve essa característica que mantém o jogo familiar para todos.

Rolou até trolagem NO JOGO!!!

Rolou até trolagem NO JOGO!!!

A jogabilidade segue uma evolução visível dos últimos títulos lançados. Mas aí é que eu acho que o jogo começa a ser um pouco não amigável com os novos jogadores. Kingdom Hearts não mudou um pingo desde seu primeiro título, as barras de vida e MP seguem as mesmas, os comandos de ataque, item, magias seguem os mesmos, mas, as novidades dos jogos anteriores seguem aqui, e Sora tem um arsenal GIGANTESCO de magias, golpes especiais e finalizações. Esses recursos acabam por sobrecarregar novos jogadores de uma quantidade enorme de informações e possibilidades, é confuso, mas não atrapalha a jogabilidade no geral.

Kingdom Hearts 3 também não se privou das “modinhas” atuais. O jogo conta com um modo de foto que pode ser acessado através do Gummiphone, um smartphone que Sora recebe de Chip e Dale (Tico e Teco para os íntimos). É engraçado pensar que o conceito de smartphone sequer existia quando os primeiros jogos estavam saindo, já pensou nisso? Mas através desse aparato, Sora pode fotografar momentos icônicos com seus colegas, registrar as Lucky Charms (orelhas do Mickey que estão escondidas por todos os mundos, o colecionável chato de Kingdom Hearts 3, revisite os mundos dezenas de vezes atrás deles para conseguir completar o álbum!) e, nas telas de loading, você vai ser brindado com o Feed do que parece ser o Instagram dos personagens! Com direito a Hashtag e tudo!

KH_PHONE

É bem engraçado de imaginar uma pausa na luta contra as trevas para postar uma selfie! =P

But First, Lemme take a selfie

But First, Lemme take a selfie

No geral, Kingdom Hearts 3 é o que os fãs antigos mais queriam, é a continuação da saga, sua conclusão feita da forma mais Kingdom Hearts possível, todas as pontas soltas são lembradas para serem resolvidas. Novos jogadores que começarem por aqui (meu deus, por quê você faria isso?) podem se sentir um pouco perdidos, sem entender as referências ou podem até pensar quem são todos esses personagens aparecendo do nada?

Mas convenhamos. A História de KH é tão densa que as vezes até quem jogou tudo pensa isso! =P

Nerd: Matheus Farina

Após 24 verões, percebeu que as roupas não se lavam sozinhas. Começou a cozinhar aos 17 e desde então não parou mais. Acredita que é possível que exista no futuro a carreira de Noob Profissional de videogame, então, segue sendo medíocre e se divertindo muito. Single Player, RPGista e Card Gamer. Acha muito egocêntrico falar de si mesmo...

Share This Post On