Resenha do Livro | A Promessa do Tigre

Estava muito ansiosa para o lançamento d’A Promessa do Tigre. Sou fã de carteirinha da saga A Maldição do Tigre, e estava com saudades da escrita da meiguíssima Colleen Houck. O livro é um prequel dos livros já lançados, e conta a história de Yesubai, a mulher que apareceu na vida dos tigres antes de Kelsey, “causando” todo o auê. Aliás, para quem ainda não leu a série, já aviso que tem um grande spoiler, mas que já é conhecido por quem leu os outros livros. Para quem não leu, não aconselho continuar a resenha. É bem melhor ler os outros livros antes de começar por esse, mesmo sendo um “antes” de tudo.

Bom, a história não é nenhuma novidade, não conta nada novo, mas sim os belos e tristes detalhes de uma história que já conhecemos. O livro serviu para acalmar nossos corações enquanto esperamos pelo próximo livro da série, O Sonho do Tigre, ainda sem data prevista para lançamento, e até onde sei Colleen ainda não voltou a escrevê-lo. E pelos olhos, pensamentos e sentimentos de Yesubai temos a oportunidade de rever Ren e Kishan, aprender mais sobre eles e a vida que viviam antes da maldição, e também de conhecer os pais deles mais profundamente. Eles fazem breves aparições, mas são o suficientes para criarmos outra perspectiva sobre eles, completando as informações já contadas pelo Sr. Kadam e pelos irmãos.

Yesubai é uma linda jovem de 16 anos, que viveu quase todos esses anos trancafiada em seu quarto e escondida do mundo por seu pai, podendo contar apenas com sua “babá” para não perder as esperanças completamente. Apesar de todo o mal que sofre nas mãos de Lokesh, ela ainda tem um bom coração, e nos narra sua história de vida e como foi crescer sendo filha de um homem tão cruel, cercada por medo, pela fúria de seu pai e por sua própria impotência. Aprendemos sobre o papel dela na vida de Lokesh e na maldição de nossos homens/tigres maravilhosos (hahaha!), podemos sentir na pele dela seus sentimentos por Kishan e desvendar alguns dos mistérios por trás de toda a tragédia.

Descobrimos que Yesubai herdou alguns poderes do sangue de seu pai, e possui o poder da cura e da invisibilidade. Bons poderes para quem nasce sendo filha de um monstro, né?! Bem úteis. Mas Yesubai só sabe choramingar sobre nunca ter oportunidade para desenvolvê-los direito. Tempo você tem sim, filha. Mas mais do que tempo, você tem péssimas desculpas. Entendo que ela era nova, estava sozinha e sempre amedrontada, mas… foram bons poderes mal aproveitados, que se usados da forma certa e para coisas realmente úteis junto com uma dose se caráter e coragem, podiam ter evitado muita coisa. Ela deseja tanto ter uma oportunidade de fugir, confrontar o pai, que quando tem a oportunidade nas mãos a desperdiça da pior forma possível. Por medo, por egoísmo, por falta de iniciativa. Talvez até por falta de preparo, tanto emocional quanto de confrontar alguém. Mas ok. Lendo e entendendo tudo pelo que você passou por toda sua infância e adolescência, eu até te dou um desconto, Yesubai. Você aguentou muita coisa sozinha e até que aguentou tudo de uma boa forma, lidou com as situações do único jeito que sabia e do único que achava ser seguro, mesmo não sendo o jeito certo para todos ao seu redor. E fazendo escolhas de maricas. Ok. Eu não vou mais te julgar, tá? :) fofa. Parece que não, mas fiquei muito feliz por ter lido o livro e ter uma oportunidade de passar a gostar mais dela, lamentando que ela não tenha tido uma infância melhor que possibilitasse uma vida onde recebesse o carinho dos pais e tivesse uma vida repleta da paz e do amor que ela merecia.

Eu nunca gostei da Yesubai, e já adianto que por isso não senti quase nenhuma empatia por ela até boa parte do livro. Ao meu ver, só confirmou minhas teorias de que ela era, de certa forma, fraca, manipuladora e egoísta. Mas, por outro lado, não posso jogar a culpa toda nela por ser assim. Filha de Lokesh, lokeshinha é. E até ela chega a perceber isso, tarde demais, claro. E, por mais que eu julgue as ações e escolhas de Yesubai, não posso negar que elas tiveram um propósito, e A Promessa do Tigre nos ajuda a entender certos aspectos muito importantes para a série. No final você arregala os olhos e faz aquele “Aaaaahhhh, então é por isso?! Daora!”.

O final todos já sabemos, mas não deixa de ser lindo, além de esclarecedor. É quando a Yesubai que sempre quis ver aparece, mesmo que brevemente, e nos dá uma emocionante lição de vida. Mesmo com toda sua vulnerabilidade, impotência, fraquezas, ela calou minha boca e me mostrou sua força, sua bondade, e divou. Palmas pra você, Yesubai! E para você, Colleen Houck, por nos presentear com mais uma adorável história dessa série que me deixou apaixonada desde o começo!


(combinando a capa do livro, o marcador e o esmalte. juro que não foi intencional, haha!)

É um livro curto, que dá para ser lido em uma viagem no metrô. As letras são bem grandes e as páginas grossinhas, para dar um pouco mais de volume hehe! E eu adoro essas páginas grossinhas <3. E a capa? Ah, como todos os outros livros, uma das capas mais lindas que já vi na vida! Para quem é fã da série, leitura o b r i g a t ó r i a!

Eu tô adorando esses contos lançados pelos autores, estendendo as histórias de vários personagens e nos dando um parecer a mais sobre as coisas que aconteceram antes, depois, e vários tipos de spin-offs. Hoje mesmo a Kiera Cass, autora da triologia A Seleção disponibilizou os três primeiros capítulos do conto A Rainha. E você pode destrancá-los clicando aqui! Como eu amo a internet e essa possibilidade que ela dá de interação entre os autores e os leitores e todos esses bônus disponíveis num piscar de olhos pra gente! E a das editoras em lançarem essas “novelas” pra gente aqui no Brasil! Continuem, continuem com o bom trabalho hehe!

Nerd: Evelyn Trippo

I just have a lot of feelings, e urgência em expressá-los. Aspirante à escritora e estudante deslumbrada de Letras - Tradução. Pára-raio de nerds, exploradora de prateleiras em sebos e uma orgulhosa crazy pet lady.

Share This Post On