“O Clã das Freiras Assassinas”: uma fantasia incrível de empoderamento

Há anos as obras do gênero fantasia têm tomado o mercado literário, especialmente as ambientadas no período medieval. Com enredos originais e universos ficcionais completos – muitas vezes criados sob uma pequena parcela de realidade, presente no contexto histórico e cultural da trama – esse gênero vem conquistando legiões de fãs.

Os números são tão significativos que séries como “Crônicas de Gelo e Fogo”, do autor George R. R. Martin – que inspirou a produção televisiva de sucesso, Game of Thrones (HBO) -, “O Senhor dos Anéis”, de J. R. R. Tolkien, “A Crônica do Matador do Rei”, de Patrick Rothfuss e “Ciclo A Herança”, de Christopher Paolini - são alguns grandes exemplos do apelo que as obras de fantasia exercem sobre os leitores, devido ao reconhecimento da alta qualidade de seus conteúdos.

Robin LaFeversO tipo de qualidade que resultou também no reconhecimento da trilogia O Clã das Freiras Assassinas (His Fair Assassin), escrita pela norte-americana Robin LaFevers e publicada, inicialmente, nos Estados Unidos em abril de 2012 pela editora Houghton Mifflin Harcourt Publishing. A série chegou ao Brasil através da Plataforma 21 – selo jovem da editora Vergara & Ribas - no ano de 2016.

A trilogia – composta pelos livros Perdão Mortal, Divina Vingança e Amor Letal - traz um enredo envolvente, diferente de tudo o que já foi visto nesse segmento. Um universo de forte empoderamento das mulheres e que toma vida com base nos desígnios da morte. 

Os livros contam a história de três servas (Ismae, Sybella e Annith) de um convento na França, no Século XV. O convento de St. Mortain - deus da Morte -, onde mulheres são treinadas para se tornarem habilidosas assassinas a serviço do deus e a cumprirem missões que podem influenciar no destino da guerra pela independência da Bretanha, em seu nome.

O primeiro volume, Perdão Mortal (Grave Mercy), trata de Ismae Rienne, uma jovem que chega ao convento aos dezesseis anos, após ser vendida por seu pai abusivo a um pretendente violento por três moedas de prata, e jura não mais sofrer nas mãos de um homem.

PerdãoMortal

Depois de viver anos no lugar e ser treinada, Ismae  recebe a missão de viajar até a corte da duquesa da Bretanha para descobrir quem é o traidor em seu ducato que tem passado informações para a regente francesa, e assim proteger Anne. E no meio de tudo isso, enquanto ainda cumpre seu dever, ela descobre que nem tudo o que o convento lhe ensinou é confiável e, pela primeira vez, passa a questionar as intenções da abadessa de St. Mortain e sua própria fé.

Divina Vingança (Dark Triumph), volume que procede a Perdão Mortal, conta a história de Sybella, uma serva que assim como Ismae, chegou ao convento ainda muito jovem. Vinda de um lugar desconhecido – que parece tê-la traumatizado e quase levado à loucura -, ela encontra refúgio com as irmãs de Sain Mortain, onde é treinada durante três anos para matar quem quer que seja.

DivinaVinganca#capa.indd

Isso até ser enviada mais uma vez para o lugar onde viveu sua infância para espionar D’Albret, uma dos mais impetuosos e cruéis aliados da duquesa, que pode ter se tornado uma de suas maiores ameaças. Lugar em que Sybella recebe a missão de resgatar um dos prisioneiros do conde, e que pode custar sua vida.

Nesse segundo livro, os acontecimentos da guerra da Bretanha continuam a se desenrolar, assim como algumas revelações acerca do convento de St. Mortain começam a ser feitas, mas de uma forma mais distante e secundária. Ele trata-se acima de tudo de uma pessoa inundada por ressentimentos, que ao se ver mais uma vez frente a frente com o seu passado, precisa escolher qual caminho seguir para se vingar daqueles que lhes causaram tanta dor.

E, por fim, em Amor Letal (Mortal Heart), conhecemos Annith, uma noviça que vive no convento desde que era apenas um bebê e ainda espera ser mandada à sua primeira missão em nome do deus da morte. A mais fiel e melhor das servas de Mortain, nunca entendeu o porquê de não a escolheram, até que, ao perceber que nunca o fariam, descobre que há algo de errado com o convento e sua abadessa.

Amor-letal

Um volume de desfecho, em que todo o mistério, segredos e tramas presente na história são solucionados. Assim como a guerra da independência da Bretanha que, finalmente, chega ao fim, trazendo inúmeras surpresas para os leitores que acompanharam toda a jornada até seu fatídico final.

A trilogia é uma obra completa, feita com primazia, que vai além de um enredo original e um universo rico. Um copilado de grandes temas que afetam ainda hoje, séculos depois do período medieval, as pessoas. A jornada de mulheres que passaram por sofrimentos imprescindíveis nas mãos de homens e por isso escolheram cumprir seu propósito ao lado de Mortain, para nunca mais precisarem passar pelo mesmo.

Uma jornada de empoderamento sombria, profunda e emocionante, onde ELAS são suas próprias salvadoras e constroem seus próprios caminhos, questionando tudo aquilo que lhes foi dito e ensinado. Onde é possível aprender sobre acontecimentos históricos importantes e repensar, por meio de uma pequena crítica, sobre até onde a fé cega das pessoas pode levá-las.

Com uma excelente escrita e personagens instigantes que prendem o leitor nos mais ínfimos diálogos, Robin LaFevers cria um livro que se assemelha a uma dança. Um lugar em que a relação entre a morte e a humanidade é reformulada, mostrando as suas mais variadas facetas e a importância que ela exerce sobre a criação da vida. Uma abordagem tão singular que cria um sentimento novo de esperança naqueles que refletem sobre ela, levando os leitores a ansiarem por aquilo que a autora construiu.

O Clã das Freiras Assassinas é muito mais do que uma trilogia fantástica e uma história de qualidade e reconhecimento. É um sopro de força renovado para as mulheres que sofrem diariamente perante a sociedade machista. Um alerta para os que ferem em nome da fé. Um acalento para os que temem a morte, por não entendê-la. E uma aventura incrível para os fãs do gênero e da história. 

TRILOGIA O CLÃ DAS FREIRAS ASSASSINAS

AUTOR Robin LaFevers;

TRADUÇÃO Edmundo Barreiros;

EDITORA Plataforma 21;

ANO 2016;

PREÇO Box 83 a 84 reais.

Nerd: Ana Giese

A louca com compulsão obsessiva em comprar livros e estudante de jornalismo! Que ama Harry Potter, se apaixona constantemente por personagens fictícios e passa 14 horas assistindo Netflix. Pelo menos sabe precisar de uma visitinha ou duas ao psicólogo!!

Share This Post On